Domingo
07 de Março de 2021 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Anápolis, GO

Máx
28ºC
Min
18ºC
Nublado e Pancadas d

Segunda-feira - Anápoli...

Máx
27ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva a

Terça-feira - Anápolis...

Máx
25ºC
Min
19ºC
Chuvas Isoladas

Ministro da Saúde diz que expectativa do governo é remover 1,5 mil pacientes do Amazonas a outros estados

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta terça-feira, em Manaus, que o governo deve remover 1,5 mil pacientes com Covid-19 do Amazonas para outros estados para receber tratamento médico. O número é seis vezes maior do que o objetivo inicial, que era transferir 235 pessoas. Ao lado do governador do Amazonas Wilson Lima, ele fez um pronunciamento durante a inauguração do hospital de campanha, que vai funcionar no complexo Nilton Lins. Desde que chegou a Manaus, na noite de sábado (23), o ministro não tinha cumprido nenhuma agenda pública e, após o evento desta terça, foi embora sem responder perguntas dos jornalistas. De acordo com o Ministério da Saúde, ele ficará no estado do Amazonas pelo "tempo que for necessário". Em seu pronunciamento, o ministro citou que já foram realizadas 300 transferências, mas de acordo com a Secretaria de Saúde do Amazonas foram transferidos no total, até a manhã desta terça, 277 pacientes. "Partimos pela remoção inicialmente para hospitais federais e agora para hospitais do SUS, de estados que estão se oferecendo para receber os amazonenses que precisam ser tratados. Já tiramos 300 pessoas em aviões da Força Aérea e nosso objetivo é chegar a em torno de 1,5 mil pessoas removidas." Nesta terça, ele reforçou que que a necessidade de fazer as remoções de Manaus ocorreu pela quantidade de pessoas buscando atendimento médico e pela incapacidade do governo atender a todos. Pazuello está sendo investigado Supremo Tribunal Federal (STF) por suposta omissão durante a crise na saúde do Amazonas. Segundo a Procuradoria Geral da República, desde o dia 6 de janeiro, havia a recomendação de transferência dos pacientes graves para outros estados, mas os primeiros deslocamentos só começaram dez dias depois. “Até o dia 16/1/2021, somente 32 pacientes haviam sido removidos, ou seja, menos de 10% da capacidade disponibilizada.” Outras questões abordadas pela Procuradoria Geral da República no pedido de investigação incluem a demora em agir, a entrega de medicamentos sem comprovação científica para combater a doença, entre outros. Veja os pontos citados pela PGR no pedido de investigação de Pazuello. Vacinas No pronunciamento desta terça-feira, o ministro afirmou que Amazonas já recebeu 452 mil doses de vacina, sendo 100 mil doses de vacinas extras. No entanto, somados todos os carregamentos, o estado recebeu pouco mais de 459 mil doses. "Proporcionalmente o Amazonas é o estado que mais recebeu doses. Em proporção. Com essas doses, o objetivo é que 100% dos indígenas aldeados sejam vacinados, 87% dos profissionais de saúde e dos trabalhadores de saúde também sejam vacinados, 100% dos idosos, em instituições de longa permanência. E nós fizemos um fundo de 5% em comum acordo com os governadores de todas as vacinas que chegam ao Brasil, para atender as áreas mais impactadas", afirmou. Hospital de campanha O complexo hospitalar Nilton Lins possui toda a estrutura hospitalar e será usado como hospital de campanha pelo estado. De acordo com o ministro, serão 152 leitos, sendo 30 já disponíveis nesta terça-feira. Pazuello afirmou que 81 leitos tem concentradores de oxigênio. Segundo a Secretaria de Estado de Saúde, o fluxo de atendimento na unidade será de portas fechadas, semelhante ao adotado em 2020: pacientes que dão entrada na rede de urgência e emergência serão reencaminhados para o hospital, não há atendimento direto. "Nós estamos vendo de uma maneira muito clara, como deve ser, a partir de já e no futuro, a nossa situação hospitalar na Amazônia. Precisamos trabalhar com usinas geradoras de oxigênio inpidualizadas nos hospitais, concentradores de oxigênio e deixar o oxigênio de grande porte, esse comprado da White Martins, como backup", afirmou. 1 de 2 Ministro Pazuello esteve no hospital nesta terça-feira (26) — Foto: Matheus Castro/G1 2 de 2 Hospital Nilton Lins, em Manaus — Foto: Matheus Castro/G1 VÍDEOS: Veja os mais assistidos no G1 AM 200 vídeos COVID-19 CAUSA COLAPSO NO AMAZONAS Unidades de saúde ficaram sem oxigênio em Manaus Amazonas envia pacientes para outros estados Prefeitura de Manaus amplia horário de funcionamento dos cemitérios Capital adota medidas mais duras de isolamento e toque de recolher Nova variante do coronavírus é encontrada no Amazonas Justiça Federal suspende Enem no Amazonas Ministro da Saúde diz Manaus é 'prioridade nacional neste momento' RELATOS: Médicos e familiares de pacientes descrevem colapso Entenda por que o oxigênio é tão importante para pacientes com Covid Artistas fazem campanha por oxigênio 'Terrível, o problema em Manaus. Agora, nós fizemos nossa parte', diz Bolsonaro PODCAST | O Assunto #362: Manaus de volta ao inferno da Covid
26/01/2021 (00:00)
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  1288355